Minha Alma é de Outro Lugar

─ Rumi, translated by Oliveira Simões

O dia todo eu penso nisto, e à noite eu o digo.
De onde vim, e o que se espera que eu faça?
Não faço a menor ideia.
Minha alma é de outro lugar, tenho certeza disso.
E pretendo terminar num plano superior.

Esta bebedeira começou em alguma outra taverna.
Quando eu voltar para aquele lugar,
Estarei completamente sóbrio. Enquanto isso,
Sou como um pássaro de outro continente, preso neste aviário.
O meu dia de voar está chegando,
Mas quem no meu ouvido agora ouve a minha voz?
Quem profere palavras com a minha boca?

Quem vê o mundo com os meus olhos? O que é a alma?
Não posso parar de me perguntar.
Se eu pudesse provar o gole de uma resposta,
Eu conseguiria me libertar desta prisão para bêbados.
Eu não vim até aqui por vontade própria, e não posso partir desta maneira.
Quem me trouxe até aqui terá que me levar para casa.

Esta poesia. Eu nunca sei o que vou dizer.
Nunca a planejo.
Quando estou fora do ato de dizê-la,
fico muito calado e raramente falo.

Temos um barril enorme de vinho, mas nenhuma taça.
Tudo bem conosco. Todas as manhãs
Resplandecemos e à noite resplandecemos outra vez.